Domingo, 20 de outubro de 2019

Home / DESTAQUES DA EDIÇÃO IMPRESSA  / Entrevista com Vereador professor Wendel (PSB)

Entrevista com Vereador professor Wendel (PSB)

Entrevista – Vereador Professor Wendel (PSB)

Repórter Antônio Claret Guerra

Como integrante da Comissão de Turismo da Câmara Municipal de Belo Horizonte, qual a atuação que os leitores do JORNAL MG TURISMO, o mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta há 32 anos, desde 1985, podem esperar de você?

Tenho procurado trabalhar muito em prol do turismo. Como membro das Comissões de Educação, Cultura e Turismo, desde o primeiro mandato e membro do Conselho Municipal de Turismo, solicitei à Belotur que fomentasse o turismo em Belo Horizonte. Presidi a Comissão Legislativa para levar a Pampulha a se tornar Patrimônio da Humanidade. Estive também à frente na Câmara Municipal do Projeto de Lei que determina a construção de um Centro de Convenções ao lado do Minas Shopping.

Junto com as agências de viagem e empresas de turismo, trabalhamos com afinco para tentar reduzir o ISS. Junto aos órgãos reguladores do turismo, trabalhamos para criar uma frente de incentivo à visitação turística em Belo Horizonte. E também uma frente para melhoria dos parques em BH, a ampliação de atividades no Parque Mangabei-
ras, para incentivar a vinda da Tiroleza e outros. Estou sempre aberto para trabalhar em prol do fortalecimento do turismo em nossa capital e para isso, coloco meu gabinete à disposição para receber sugestões.

Você foi o grande sucesso das Eleições de 2014, conseguindo 13.277 votos, o mais votado de todos os vereadores que se candidataram à reeleição. A que credita todos esse êxitos, em momento em que a classe política está desacreditada pela opinião pública?

Creio que ter sido tão bem votado, neste momento que a classe política vem sofrendo um descrédito grande, foi devido ao nosso trabalho ético, sério e muito voltado para o bem comum das comunidades. Tenho procurado ser um interlocutor atento e preocupado em lutar para atender as demandas solicitadas, acompanhar e cobrar soluções. Respondo a tudo que chega no meu gabinete, mesmo que seja para informar que o poder executivo não pode atender a demanda, porque acredito que todo mundo merece respeito e atenção.

Também acredito que minha atuação em vários eixos, como educação, cultura, mobilidade urbana e outros foram im-
portantes. Mesmo com afinidades em determinados temas, é importante um vereador atuar com amplitude porque as demandas em uma cidade são múltiplas. Em meu primeiro mandato, também abri outras frentes de trabalho impor-
tantes na Câmara como presidente da Comissão de Combate ao Crack e outras Drogas. Na frente Parlamentar do Cooperativismo de Belo Horizonte apresentei muitos Projetos de Lei e atuei firme na fiscalização dos serviços públicos oferecidos às comunidades.

Dedicando-se a trabalhos sociais desde a adolescência, você é criador do primeiro curso pré-vestibular comunitário e idealizador do Projeto Brasil Melhor, que desenvolve ações educativas e culturais para pessoas de baixa renda. Como são essas iniciativas?

Meu despertar para o trabalho social começou aos 17 anos, quando trouxe um dos primeiros pré-vestibulares comunitários para BH e chegamos a atuar em três áreas carentes da capital. Depois idealizei e fundei o Projeto Brasil Melhor, que está em pleno funcionamento e atende mais de 500 pessoas por mês nos mais de 20 curso profissionalizantes e atendimentos, sem nenhum recurso público. Minha paixão por esta área social é muito fortee como vereador trouxe isto para a Câmara, onde tenho procurado apresentar Projetos de Lei para fortalecer o 3o Setor. Durante 5 anos, apresentei um Programas na Rádio Autêntica, denominado Central Solidariedade, para dar vez e voz aos diversos projetos sociais em BH e em 2005, participei com o dr. Tomás Aquino, do mapeamento do 3o Setor em Belo Horizonte.

Em seu primeiro mandato, criou os projetos “Vereador no Bairro”, para ouvir as pessoas nas comunidades, e “Vereador na Escola”, para realizar palestras sobre Política e Cidadania. Fale-nos dessas iniciativas.

São dois projetos que considero muito importantes e significativos no meu mandato. O Vereador no Bairro é um trailer montado, que se instala a cada semana em um bairro de Belo Horizonte, para ouvir diretamente as comunidades. Os moradores levam suas demandas, que encaminhamos para os órgãos competentes, acompanhamos e cobramos soluções. São momentos importantes de interlocução com a população.

Até o momento foram mais de 500 visitas a bairros, mais de 800 demandas recebidas, mais de 50% solucionadas e 100% dos pedidos respondidos. Quanto ao Projeto Vereador na Escola, já foram mais de 100 palestras sobre Política e Cidadania, em várias escolas. Nosso objetivo é propiciar aos jovens oportunidade de debater estes temas tão importantes para a formação e educação cidadã.

Você tem ligações familiares e de infância com Bom Despacho, cidade onde este repórter iniciou seus estudos e viveu até os 19 anos. O que os bondespachenses podem esperar de sua atuação na Capital do Estado? Há uma possibilidade de se candidatar à Assembleia Legislativa e ser um representante deste município do Centro-Oeste do Estado?

Tenho uma ligação muito grande com Bom Despacho, onde vou desde criança pois meus pais são de lá. Sabemos que a política é instrumento para fortalecer os municípios, que são como as células de uma Nação. Vejo em Bom Despacho uma carência de avanço tecnológico, no 3o Setor e mais oportunidades, principalmente para a juventude. Quanto ao futuro, em 2018, não decidi ainda se sou candidato a deputado estadual. Considero que é importante trazer renovação para a política, com pessoas sem vícios políticos, com uma filosofia de mudar as coisas a partir de muito trabalho, honestidade, seriedade e ética. Fico feliz e animado de estar nesta linha política.

Mas é momento de pensar, pois a responsabilidade é grande. Recebi muito votos em BH, mas também tenho muita vontade de somar para o desenvolvimentos dos municípios. Tenho ido sempre a Bom Despacho, mantido uma interlocução com os vereadores, trocados ideias com eles, sugerido projetos de lei para o fortalecimento e desenvolvimento de Bom Despacho. Dei palestra para os jovens do Projeto Câmara Mirim. O Centro Oeste é uma região muito rica e tem todas as possibilidades de ser um marco em Minas Gerais.

Crédito: Raphael Richard

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×