Quinta Feira, 23 de janeiro de 2020

Home / EDITORIAS  / Opinião  / O sonho e a realidade

O sonho e a realidade

*Ômar Souki

“Acorde! Viva seu sonho!”, “O catador de sonhos”, “O vendedor de sonhos”, “Acredite em seus sonhos”, “Nunca desista de seus sonhos”, “Você é do tamanho dos seus sonhos”, “Sonho grande” são títulos de livros que nos estimulam a sonhar alto e a perseguir nossos sonhos até transformá-los em realidade. Há muito tempo, conversando com um amigo, eu lhe disse que era importante ter metas, planejar a vida e conquistar sonhos. Mesmo não sendo pessoa religiosa, ele me deu uma resposta, que até hoje, me faz pensar: “Acho que mais importante do que metas pessoais é fazer a vontade de Deus!”. Na época, porém, meu sonho era concluir meu doutorado na Universidade de Ohio e eu não tinha noção do que seria a tal “vontade de Deus!”. Só conhecia a minha, e ia dar tudo para realizá-la. Desejava ardentemente concluir meus estudos e ser professor universitário nos Estados Unidos. Casado e com dois filhos para criar — trabalhei e estudei — até transformar o sonho em realidade. Ironia das ironias, depois de 8 anos fora, meu sonho passou a ser outro: voltar para o Brasil. Candidatei-me a uma bolsa Fulbright do governo americano para lecionar marketing na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e — mais uma vez — o sonho foi realizado. Depois de lecionar em universidades por 20 anos, outro sonho: ser um conferencista reconhecido. Também realizado! Cinco grandes sonhos se tornaram realidade. E a minha vida familiar? Destruída!

Lembrei-me, então, daquela conversa distante sobre a tal “vontade de Deus!”.

Entendi o que meu amigo queria dizer com “fazer a vontade de Deus!”. Talvez estejamos enfatizando exageradamente a importância de objetivos materiais. A pessoa faz de tudo para mostrar que conquistou um lugar ao sol e acha que só assim será feliz. Mas, eu descobri que — mesmo realizando meus sonhos — não tinha conquistado a felicidade. Pelo contrário, no afã de transformar sonhos em realidade, fiz o oposto: criei infelicidade em meu entorno e dentro de mim. Isso não quer dizer que seja assim com todo o mundo. Essa foi a minha experiência. Conheço pessoas, que — ao contrário do que eu fiz — subordinaram suas metas e seu planejamento de vida à vontade de Deus e conseguiram, de fato, se realizar e ser felizes. Não foi o meu caso. Hoje eu sei por que: eu não soube parar para pedir àquele amigo que me explicasse melhor o que seria fazer em primeiro lugar a vontade de Deus.

Antes de “acordar” e “viver o sonho” precisamos nos despertar para Deus. Por que não se perguntar: “Qual é a vontade de Deus para mim?”. Deus não vai complicar as coisas. Ele quer apenas facilitar. A vontade dele, mais cedo ou mais tarde, se manifesta. Então, porque não começar desejando fazer a sua vontade e não a nossa? Porque somos imediatistas. Porque não queremos limites. Porque o mundo nos seduz. Quando focamos somente em manifestar a nossa vontade nos esquecemos dos sentimentos dos outros e do nosso compromisso com o bem maior. Porém, nunca é tarde para reconquistar aquele sonho de ter uma vida familiar saudável e — ao mesmo tempo — se realizar contribuindo para o bem estar das pessoas e da sociedade.

Depois que voltei meu coração para Deus, aí sim, realizei meu sonho, reconstruindo minha vida familiar. O que Deus quer é que — quando sairmos de casa seja para “catar” ou para “vender” sonhos — não abandonemos o sonho maior, o sonho real, que já tínhamos conquistado: uma família feliz!

 

* Ômar Souki é escritor e palestrante

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×