Quinta Feira, 15 de novembro de 2018

Home / COLUNAS  / Editorial  / A tragédia americana

A tragédia americana

Os Estados Unidos são não apenas detentores de enorme porção territorial, nem tampouco um país possuidor de gigantesco poderio bélico militar. É ainda e também a
nação individualmente mais bem armada de todo o mundo, dito civilizado. Explicando, é lá mesmo que são encontradas mais cidadãos e maior número de pessoas armadas.
Com revólveres e com pistolas, com fuzis e com rifles, com garruchas e com escopetas e até com facas e punhais.Uma das mais fortes e atuantes, conhecidas e respeitadas entidades do gigante norte-americano é a Associação Nacional do Rifle, que foi presidida por longos anos pelo consagrado ator Charlton Heston, violento tanto nos filmes
quanto nas preferências e tendências pessoais e um dos sócios fundadores de tal organização armada. E por muitos, muitos mesmo, até amada e querida. Segundo alguns considerados e destacados historiadores, um cruel ataque a uma torre no Texas, ocorrido em 1966 teria dado inicio às chacinas e aos massacres que lá ocorrem, com assustadora e preocupante frequência.

Eventos que se tornaram, desde então, quase habituais, portanto, dramático e trágico, mas não surpreendente o recente episódio, no qual o aposentado senhor Stephen Paddock, de 64 anos, que, aboletado no trigésimo segundo andar de um prédio, quebrou os vidros de suas janelas, escolhendo o melhor ângulo para atirar nos desavisados participantes de uma animada festa country que ocorria em frente, e matando a partir do Hotel Cassino Mandalay Bay, 59 pessoas e ferindo 527 outras. Considerado um homem demente, com muitos problemas, residente num vilarejo tranquilo do estado de Nevada, mas era um ávido apostador, um caçador e um hábil piloto amador. No quarto de onde atirou, feriu e matou, foram encontradas 23 armas de diversos calibres, transportadas em mais de 10 malas, segundo o xerife local. Alguns dos fuzis dispunham de mira telescópica e o veículo do atirador continha farto material para a preparação de explosivos.

Em sua residência, em Mesquita, a cerca de 120 kms de Las Vegas, foram achados um arsenal de 19 outras armas, muita munição e muitos explosivos. Como de hábito, o Estado Islâmico reivindicou o atentado, contudo sem confirmação por parte das autoridades investigativas.

Esse massacre foi o pior da recente história norte-americana, à frente do cometido na Boate Gay Pulse de Orlando, na Flórida, em junho de 2016, do qual resultaram 49 mortos. Ser farta e excessivamente armada é tida como causa primordial de recorrentes eventos dessa natureza na grande e moderna república do norte. Repetidas tentativas presidenciais de controle da venda, esbarra no fortíssimo lobby da indústria armamentista, a maior do mundo. Seguida de perto pela indústria farmacêutica. Esta a tragédia
americana.

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×