Domingo, 08 de dezembro de 2019

Home / NOTÍCIAS  / Veterinária dá 7 dicas para seu pet viajar com conforto e segurança

Veterinária dá 7 dicas para seu pet viajar com conforto e segurança

Começo de ano é tradicionalmente um período de férias e para quem tem um filho de quatro patas sempre fica a pergunta: como faço para viajar com meu animalzinho de estimação? Pensando nisso, a veterinária e diretora operacional do aplicativo Dot Pet, Lara Torrezan, preparou 7 dicas sobre os principais cuidados que o tutor deve tomar para garantir que o passeio com seu pet ocorra de forma segura, confortável e tranquila.

 

1                   Canse seu pet antes da viagem

Qualquer viagem de mais de uma hora já nos deixa um tanto desconfortáveis, seja de carro, avião ou ônibus. Para os pets então, essa experiência pode ser ainda mais desconfortável. Por isso, brinque bastante com seu animal um dia antes e, se possível, no mesmo dia da viagem. “Passear é bom, mas não exige muito do animal. O ideal é jogar bolinha, correr, deixá-lo brincar, agitá-lo mesmo, para que ele realmente gaste energia. Dessa forma ele vai estar mais cansado e pode ser até que faça a viagem dormindo naturalmente, o que é o melhor dos cenários”, explica Torrezan.

2         Cinto de segurança ou caixa de transporte: fundamental para o pet e para o bolso do tutor

Ok, essa dica parece meio óbvia. Mas a verdade é que o que mais se vê são animais viajando soltos dentro dos carros ou até mesmo na caçamba, na área externa dos automóveis. “Muitas pessoas não se dão conta dos riscos que o animal corre ao viajar sem cinto de segurança, fora da caixa de transporte ou na carroceria. Outra coisa que escuto muito é que o animal não gosta, não deixa colocar o cinto, não fica na caixa. Mas é importante lembrar que a responsabilidade pela segurança do animal é do tutor”, afirma a veterinária da Dot Pet. Além da segurança, há o aspecto legal: de acordo com o artigo 235 do Código Brasileiro de Trânsito, a condução de animais nas partes externas do veículo é considerada infração grave, vale 5 pontos na carteira e o condutor arca com multa de R$127,69. Já o artigo 252 prevê que o motorista flagrado com o animal no colo ou dirigindo com animais à sua esquerda entre braços ou pernas perde 4 pontos, infração média e multa no valor de R$85,13.

 

3         Acostume seu Pet ao ambiente da viagem

Essa dica tem relação com a segunda e é voltada para os donos de animais que dão mais trabalho na hora de colocar no carro, com cinto de segurança ou para ficarem na caixa de transporte.  “A dica é tornar essas situações familiares, acostumá-los. Associe esses momentos a experiências positivas. Deixe a caixa de transporte sempre aberta e disponível para uma melhor adaptação, coloque petiscos, brinquedos para estimular o uso no dia-dia. Faça isso todo dia, mesmo que a viagem vá demorar para acontecer. Quanto mais acostumado ele ficar menor será o estresse no dia da viagem”, explica Lara.

4         Faça paradas periódicas

Se a sua viagem for longa, o ideal é sempre fazer aquele pit-stop básico para o xixi, cocô, hidratação e relaxamento do animal. “É importante perceber o comportamento do seu pet durante a viagem. Muitos deles estão acostumados a fazer suas necessidades só em um determinado local, então não vão fazer dentro do carro, mas começam a demonstrar desconforto”, esclarece a veterinária. “Em todo caso, é uma boa ideia forrar os bancos com tapete higiênico para o caso de alguma eventualidade”, diz.

 

  1. Documentos necessários para viagens nacionais ou internacionais:

Cada destino tem suas regras, suas exigências específicas. Por isso, é sempre bom checar no detalhe. Mas no geral, os documentos necessários são os seguintes:

  • Atestado de Saúde ou Certificado Sanitário, emitido 10 dias antes da viagem por um médico veterinário registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária da Unidade Federativa e cadastrado no Ministério da Agricultura. O documento deve conter dados como nome do pet, espécie, raça, sexo, idade real ou presumida entre outras informações que asseguram o bom estado de saúde do animal”, explica a veterinária.
  • Certificado de Vacinação Antirrábica, assim como o exame de sorologia de raiva.
  • Em caso de viagens internacionais, são necessários o Certificado Veterinário Internacional e o Certificado de Zoonose Internacional obrigatório (CZI), que garante que o animal está livre de doenças. Dependendo do destino, também pode ser necessário o Passaporte para cães e gatos. Os documentos são expedidos pelo Ministério da Agricultura.
  • Leve sempre com você a carteira de vacinação em do seu pet, assinada por um médico veterinário.

 

6         Conheça as regras do meio de transporte e do destino

No caso do ônibus, de acordo com art. 70 do Decreto nº2521/1998 da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o transporte dos animais é permitido, respeitados os locais e limites de peso de bagagem. O animal precisa estar acomodado em caixa apropriada de modo que consiga ficar em pé e se mover. “Ressalta-se ainda que cada empresa possui regras específicas e pode recusar o transporte se entender que há risco à segurança e ao o conforto dos demais passageiros ou se não dispor das condições adequadas para o transporte do animal”, detalha a diretora operacional da Dot Pet.

Já no caso de viagens de avião, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o transporte de animais domésticos (cães e gatos) na cabine de passageiros fica a critério da empresa aérea. Vale lembrar que algumas companhias não transportam cães de determinadas raças. É preciso ainda apresentar atestado de sanidade do animal fornecido pela Secretaria de Agricultura Estadual, Posto do Departamento de Defesa Animal ou por médico veterinário. Além disso, será cobrado um valor adicional definido pela companhia aérea. Em caso de vôos internacionais: é imprescindível obter informações sobre as regras do país de destino para não correr o risco de não poder desembarcar com o seu pet.

 

7         Kit Básico

Por fim, um check-list sempre é uma boa ideia. “Certifique-se de estar levando ração, tapete higiênico ou areia, medicamentos, brinquedos e carteira de vacinação, dependendo do destino. A ideia é que seu pet se sinta confortável, com tudo que precisa à disposição, e que o tutor fique tranquilo. E se por acaso esquecer de algo ou precisar de um veterinário, basta acionar o aplicativo Dot Pet”, finaliza Lara.

 

Sobre a Dot Pet

Fundada em 2015, a Dot Pet inova a relação entre profissionais e donos de pets. Por meio de tecnologia de última geração, o markatplace atende com excelência as duas pontas do negócio, profissionalizando o segmento e proporcionando conveniência ao consumidor. Pelo site ou App, é possível comprar ração, medicamentos, roupas, brinquedos, agendar banho e tosa, vacinação, veterinários de diversas especialidades, adestradores, entre outros. O pagamento é feito online e o cliente recebe seus produtos em casa em até 2 horas.

Para quem vende, é a oportunidade para construir e divulgar sua vitrine virtual, ter acesso a interface de gerenciamento da agenda, vendas, estoque, além de contar com serviço de entrega de produtos, entre outros benefícios.  Vale destacar ainda que o repasse do pagamento para o fornecedor é feito em até 2 úteis após a realização do serviço ou entrega do produto. Tudo isso sem taxa de adesão, mensalidade ou fidelização.

Pioneira no mercado, a Dot Pet é composta por uma equipe de empreendedores experientes nos setores de tecnologia, marketing, vendas, gestão financeira e investimentos, com um objetivo claro: facilitar a vida de quem ama os pets.

 

 

Fonte: edbcomunicação

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×