Segunda Feira, 20 de janeiro de 2020

Home / DESTAQUES  / Do fundo do poço para a vida

Do fundo do poço para a vida

Ex-moradora de rua e usuária de crack, Maíra Souza conseguiu dar a volta por cima no McDonald’s

Quem é apresentado a Maíra Gonçalves Oliveira de Souza, não consegue, absolutamente, imaginar nem sequer a metade da sua trágica e difícil história de vida. Extremamente simpática, com ótima aparência, transmite segurança e felicidade ao contar sua trajetória e capacidade de recuperação. Ela está grávida de quatro meses do terceiro filho e trabalha há cinco anos e dois meses na empresa, onde atualmente atua como Gerente de Área no restaurante McDonald’s da Pampulha (PAM), no Bairro Ouro Preto,  em BH.

“Perdi um irmão e uma cunhada assassinados, fui moradora de rua e dependente de drogas durante 12 anos, dos 16 aos 28 anos. Comecei com cigarro comum aos 11 anos, depois experimentei maconha, cheirava tinner, cola, cocaína e aos 16 anos já era viciada em crack, quando engravidei pela primeira vez. Perdi filhos por causa de abortos em função da droga e cheguei a me prostituir para alimentar meu vício. Mas nunca desisti! Já estou há 10 anos totalmente fora das drogas, consegui fazer faculdade, me formei em Marketing e sou apaixonada pelo McDonald’s, onde trabalho com prazer e paixão, diz com um sorriso contagiante nos lábios.

Na infância, Maíra morava com a mãe e dois irmãos na Pedreira Prado Lopes, uma das comunidades mais violentas de Belo Horizonte. Quanto tinha 7 anos de idade, o pai abandonou a família e levou Maíra e o irmão para morar com ele na rua. Este primeiro contato com a rua como novo “lar” durou apenas um mês, quando a mãe, recorrendo à polícia e ao Ministério Público, conseguiu retomar a guarda dos filhos.

 

Aos 28 anos, a virada de vida 

Maltrapilha e maltratada, Maíra conseguiu virar o jogo somente aos 28 anos, quando sai da rua e abandona as drogas e vai trabalhar numa empresa de multiserviço e conservação. “Não aguentava mais aquela vida. Pedi a Deus para morrer ou para ele me ajudar a encontrar um outro caminho, um outro destino, uma outra vida. Pelo visto, Ele tinha outros planos para mim, porque atendeu a minha súplica”, conta ela, que ficou durante quatro anos nesta empresa, ganhando um pequeno salário e sem nenhuma promoção ao longo desse tempo. Durante este período, além do trabalho, também voltou a estudar e completou o segundo grau.

Ela conta que, nesta época, sua filha mais velha, Yanca Aparecida Gonçalves Vieira, hoje com 22 anos, foi trabalhar como menor aprendiz no McDonald’s e comentava com ela sobre os planos de carreira da empresa e a possibilidade de crescer na companhia. Via minha filha sendo promovida, valorizada e pensei, é isto que quero para mim, uma empresa assim, que reconhece seu funcionário. “Fui lá, fiz testes, passei e comecei a trabalhar no McDonald’s. E levei também meu marido. Neste período, trabalhávamos os três no mesmo restaurante, em jornadas diferentes”, conta. A filha e o marido deixaram a empresa, mas ela continuou. Em apenas três meses conseguiu a primeira promoção e passou a ser Treinadora de Equipe. Com um ano e cinco meses, uma nova promoção, e saltou para Gerente de Área. A próxima meta é chegar a Gerente de Plantão. Incentivada pela empresa a continuar os estudos, entrou na faculdade e se formou em Marketing. Hoje tem carteira de motorista, comprou carro, dirige e o próximo passo, avisa, é comprar um apartamento. O marido está desempregado, a filha mais velha trabalha sem carteira assinada e ela garante as despesas da casa. “A estabilidade que encontrei no McDonald’s, a possibilidade de construir uma carreira, o fato de ser valorizada, reconhecida e trabalhar num ambiente amigável, respeitoso, me asseguram um equilíbrio emocional que é fundamental para mim que já fui dependente de drogas por muitos anos. Por isso trabalho com prazer e paixão e sou apaixonada pela empresa”, conclui.

Além de duas filhas e do terceiro filho que vai nascer, adotou seus dois sobrinhos, filhos do irmão assassinado, hoje com 17 e 14 anos. Maira tem 38 anos e tem, como objetivo no médio prazo, chegar a Gerente de Negócio, o principal cargo na hierarquia do restaurante. Se depender dela, não duvide que vai conseguir!

No Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, Maíra se confraterniza com dois funcionários com Síndrome de Down

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×