Domingo, 08 de dezembro de 2019

Home / DESTAQUES  / Mostra de Cinema de Tiradentes

Mostra de Cinema de Tiradentes

Debates, exibição de curtas e longas dão sequência às mostras Corpos Adiante, Panorama, Olhos Livres, Aurora, Curtas na Praça e Foco; haverá ainda debate e show, encerrando as atividades do dia

A temática desta 22a edição da Mostra de Cinema de Tiradentes esteve no centro dos debates no Seminário do Cinema Brasileiro. Foram três ao longo do dia: “Tragam-me a cabeça de Carmen M.” e “Inferninho”, na série Encontros com o Filme; e a mesa temática “Corpos Adiante: corpos em trânsitos artísticos por dentro da ‘cena’”. Além disso, a programação desta segunda contou com a exibição de diversos filmes, que lotaram os espaços de projeção. Hoje (22/01), a agenda segue intensa: serão 15 filmes, entre curtas e longas, roda de conversa e apresentação musical.

Nos dois Encontros com os Filmes de ontem, questões de presença, consciência e afetação dos corpos e convivialidades deram a tônica. Em “Tragam-me a Cabeça de Carmen M.”, o codiretor Felipe Bragança defendeu que Carmen Miranda teria sido uma grande pensadora da cultura brasileira. O procedimento foi captado pela crítica Ela Bittencourt, que comentou o filme. “Existe o imaginário em torno da Carmen Miranda na personagem central do filme, que tenta se apropriar de certo espírito da cantora e atriz dentro de uma realidade que tenta oprimi-la”, disse.

Para Bragança, quando pensamos a cantora pela perspectiva trágica, “estamos tentando discutir o quanto devemos pensar o lugar do país, dentro das nossas bolhas”. “A Carmen que nos interessava no filme é aquela que sonhou um tipo de identidade pela construção cultural, pelo deboche, pastiche e colagem e que, com isso, influenciou o mundo inteiro”, afirmou ele. O título do filme foi pensado por esse sentido: o de entregar a “cabeça” de uma Carmen Miranda sem idealizações que se referisse “à atual tragédia que vivemos no Brasil”.

No caso de “Inferninho”, o crítico João Dumans elogiou o uso do melodrama como catalisador de emoções no filme de Guto Parente e Pedro Diógenes. “O movimento que o filme faz é de dar ao melodrama a possibilidade de aqueles personagens se expressarem. ‘Inferninho’ não faz isso só como referência, e sim leva a sério para a construção dos sentimentos”, afirmou.

Guto Parente contou que o filme partiu de um convite de parceria do Grupo Bagaceira de Teatro, cujos atores e atrizes aparecem no elenco do longa e colaboraram diretamente em sua feitura. O ator Rafael Martins, que faz o Coelho em “Inferninho” e é do grupo cearense, relembrou que a escolha pelo uso do artifício na construção dos dramas do filme foi pensado como elemento poético. “Esses artificialismos que vêm da fragilidade da imagem fala muito de nós mesmos e da nossa autoestima”, refletiu.

Na mesa da tarde, “Corpos Adiante: corpos em trânsitos artísticos por dentro da ‘cena’”, o objetivo foi conversar sobre os trânsitos entre diferentes artes (cinema, teatro, visuais, performance) e as particularidades dos processos. A pesquisadora de artes cênicas Luciana Romagnolli descreveu diferenças fundamentais de linguagens do audiovisual com o teatro, se fixando no conceito de presença e de afetação dos corpos. “Sobre quais cinemas e quais teatros estamos falando? Como os corpos se relacionam no teatro e no cinema com o que já existe? E com o que não existe?”, questionou Luciana.

Também na mesa, o ator Rafael Martins, do grupo cearense Bagaceira e no elenco do longa-metragem “Inferninho”, era um exemplo típico de experiência fora dos padrões convencionais de teatro comercial. “Uma das principais funções do colaborativo é que tudo aquilo que está sendo dito deve nos dizer respeito, deve ter relação com a visão comum do grupo”, disse ele. “O que vejo de melhor na troca entre teatro e cinema é quando você não diminui o papel do outro”.

O artista plástico Desali, que exibiu em Tiradentes o curta-metragem “Trabalho”, apresentou alguns de seus projetos de instalação e intervenção, relacionados ao trânsito com a imagem e a performance. Utilizando-se de objetos reconfigurados para outras funções e ocupando espaços como salas de museu, ele defende, com seus projetos, a reinserção de ideias desgastadas para dentro de novos contextos.

CLIMA

A segunda foi marcada pelo início de mais duas competitivas: a Aurora, com a exibição de “Seus ossos e seus olhos”, de Caetano Gotardo; e a Mostra Foco, que trouxe quatro curtas para o Cine-Tenda. As produções concorrem ao Troféu Barroco, que será entregue na noite de sábado, 26 de janeiro, data de encerramento do evento. Na Mostra Olhos Livres, entrou em cartaz o longa “Superpina: gostoso é quando a gente faz!”. O dia também contou com a Mostra Formação e a série 1 da Mostra Curtas, que tiveram sessões lotadas. Na parte da noite, o cantor Di Souza agitou o público no Cine-Tenda.

EMPODERAMENTO FEMININO NA MOSTRA

O empoderamento e o protagonismo feminino dão o tom desta terça-feira na programação da 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes, que segue até o próximo dia 26. Os três longas exibidos ao longo do dia trazem mulheres à frente de tramas que refletem as transformações e desarranjos do atual cenário sociopolítico brasileiro e mundial.

Às 15h, no Cine-Teatro Sesi, “Bimi Shu Ikaya” conta a história de Bimi, primeira mulher indígena Huni Kuin a organizar sua própria aldeia, uma atividade até então exclusiva dos homens. Parte da Mostra Corpos Adiante, que explora a grande temática desta edição do evento, o filme é dirigido por integrantes da própria tribo: Isaka Huni Kuin, Siã Huni Kuin e Zezinho Yube.

Já “Trágicas”, terceiro longa da Mostra Olhos Livres, justapõe depoimentos de mulheres contemporâneas – exiladas, vítimas de violência doméstica, estatal ou que não puderam enterrar seus filhos – aos mitos gregos de Medeia, Antígona e Electra, para realizar um ensaio sobre o poder, o feminino e a humanidade hoje. Exibida às 18h no Cine-Tenda, a produção da diretora Aída Marques traz no elenco a atriz Gisela de Castro, interpretando no palco do teatro as três personagens gregas.

A Mostra Aurora apresenta sua contribuição às 20h, também no Cine-Tenda. Realizado no Ceará pelas diretoras Elena Meirelles e Lívia de Paiva, “Tremor Iê” acompanha uma jovem que reencontra a amiga, desaparecida desde uma manifestação popular em 2013. Juntas, elas tentam libertar outros presos políticos de um governo autoritário.

DIVERSIDADE EM PAUTA

Aprofundando a questão da representação de gênero nesta edição da Mostra de Tiradentes, uma Roda de Conversa discute a “Diversidade no Curta Brasileiro” a partir das 19h15, no Sesc Cine-Lounge. Com mediação do curador Pedro Maciel Guimarães, os realizadores Felipe Santo (“Lua Maldita”), Denise Kelm (“Lui”), Julia Katharine (“Tea for Two”) e Yasmin Guimarães (“Peixe”) vão debater as estratégias que utilizaram para pensar e articular a pluralidade de manifestações sexuais e de gênero em seus filmes.

Parte da série Encontro de Cinema, o debate amplia uma iniciativa inédita da Universo Produção para esta edição do evento. Pela primeira vez em sua história, a Mostra de Tiradentes submeteu aos 806 inscritos na categoria de curta-metragem um questionário para coleta de informações gerais, que dessem alguma noção do panorama de realizadores que se apresenta para exibir seus filmes no festival. Dos 78 curtas selecionados, 90 cineastas assinam os filmes (já que vários contam com codireção). Deste total, em dados de gênero e identidade sexual, são 32 homens e 19 mulheres cis, 1 mulher e 1 homem trans, 1 travesti, 1 pessoa não binária, 1 pessoa de gênero não definido e 34 que preferiram não declarar.

Em relação a etnia e identidade sexual entre os selecionados, são 17 homens e 13 mulheres cis brancos, 7 homens cis pardos, 5 mulheres cis negras, 5 homens cis negros, 1 pessoa não binária branca, 1 travesti parda, 1 homem cis amarelo, 1 pessoa de gênero não definido branca e 1 homem trans branco, sendo que 34 pessoas não declararam etnia.

O público vai poder conferir grande parte dessa diversidade nas três sessões de curtas programadas para esta terça. A Mostra Panorama tem início no Cine-Tenda, às 16h. E à noite, rola a segunda série dos Curtas na Praça, às 21h, e da Mostra Foco, às 22h30, também no Cine-Tenda.

Além da Roda de Conversa, a programação do dia oferece ainda os tradicionais debates sobre os filmes exibidos na noite anterior, sempre no Cine-Teatro Sesi. Os encontros começam às 10h, com o crítico Fábio Feldman discutindo o pernambucano “Superpina: Gostoso é Quando a Gente Faz!”. Logo na sequência, às 11h15, é a vez do longa “Seus Ossos e Seus Olhos” ser dissecado pelo brasiliense Pablo Gonçalo, seguido pelos curtas da Mostra Foco a partir das 12h30.

FORMAÇÃO ADULTA E INFANTIL

As sementes do futuro do cinema brasileiro também já estão sendo plantadas em Tiradentes, com as atividades de formação do evento a todo vapor. Nesta terça, tem início a oficina de “Interpretação para Cinema e TV”, com a instrutora Isadora Ferrite. Amanhã, é a vez de “Prática de Roteiro” e “Direção” começarem seus trabalhos, além de três das quatro oficinas para o público juvenil: “Mergulho nas Cenas: Do Teatro ao Cinema”, “Fotografia Encenada” e “Animando Gente com Pixilation”. Esta última é uma das novidades propostas pela Mostra neste ano em diálogo com as novas tecnologias audiovisuais: o instrutor Rodrigo EBA! vai ensinar as crianças como fazer animação usando o smartphone.

Além da interação com os dispositivos contemporâneos, as oficinas desta edição também refletem e pensam a temática do evento em 2019, “Corpos Adiante”. Exemplo disso é “Dramaturgias no Corpo e Espaço”, encerrada na segunda-feira. “A Mostra é um espaço importante de troca de experiências e de diálogos. Investir nos processos de formação continuada, abrir espaços para que os atores possam se exercitar, experimentar, dialogar com novas técnicas e diferentes propostas de composição é muito pertinente, sobretudo neste ano, quando o corpo é o grande tema de discussão”, explica o instrutor carioca Marcelo Aquino, responsável pela oficina.

TROPICÁLIA MONTES-CLARENSE

O norte de Minas invade Tiradentes na noite de terça. O grande destaque da programação artística é o show d’A Outra Banda da Lua, grupo de Montes Claros que se apresenta à 0h30 no Sesc Cine-Lounge. Formada por Edson Lima (compositor e multi-instrumentista), Marina Sena (compositora, cantora), Mateus Sizílio (compositor e baterista), Matheus Bragança (compositor e contrabaixista) e André Oliva (multi-instrumentista), a atração tem em sua diretriz influências da Tropicália, Clube da Esquina e vanguarda paulista, dentre outras. No show, as músicas mesclam ritmos e harmonias que se fundiram nos Brasis de mil Áfricas, culturas ameríndia, europeia e oriental, formando assim um som universal.

SOBRE O EVENTO

22ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES

PLATAFORMA DE LANÇAMENTO DO CINEMA BRASILEIRO

Considerada a maior manifestação do cinema brasileiro contemporâneo em formação, reflexão, exibição e difusão. Busca refletir e debater, em edições anuais, o que há de mais destacado e promissor na nova produção audiovisual brasileira, em longas e curtas, em qualquer gênero e em formato digital. A programação é oferecida gratuitamente ao público e inclui exibição de filmes brasileiros (longas e curtas), pré-estreias, homenagens, debates, encontros com a crítica, o diretor e o público, oficinas, seminário, mostrinha de Cinema, atrações artísticas.

TODA PROGRAMAÇÃO É OFERECIDA GRATUITAMENTE AO PÚBLICO.


Acompanhe a 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes e o programa Cinema Sem Fronteiras 2019.

Participe da Campanha #EufaçoaMostra

Na Web: mostratiradentes.com.br

No Twitter: @universoprod

No Facebook: universoproducao / mostratiradentes

No Instagram: @universoproducao

Informações pelo telefone: (31) 3282-2366

Serviço

22ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES | 18 a 26 de janeiro de 2019

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

LEI ESTADUAL DE INCENTIVO À CULTURA

Patrocínio: TAESA, KINEA/Itaú, CSN, CBMM, CEMIG, COPASA|GOVERNO DE MINAS GERAIS

Parceria Cultural: SESC em Minas

Fomento: CODEMGE | GOVERNO DE MINAS GERAIS

Apoio: ACADEMIA INTERNACIONAL DE CINEMA, SESI FIEMG, OI, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, TRES, WALS CERVEJA ARTE, MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES, SENAC, CINEMA DO BRASIL, DOT, MISTIKA, CTAV, NAYMAR, CINECOLOR, GLOBO MINAS, CANAL BRASIL, EMBAIXADA DA FRANÇA, ETC FILMES, NOVA ERA SILICON, POLÍCIA MILITAR, PREFEITURA DE TIRADENTE E CENTRO CULTURAL AIMORÉS.

Incentivo: SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA| MINAS GERAIS

Idealização e realização: UNIVERSO PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DA CIDADANIA | GOVERNO FEDERAL

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO EVENTO

Centro Cultural Sesiminas Yves Alves

Largo das Fôrras

Largo da Rodoviária

Escola Estadual Basílio da Gama

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×