Segunda Feira, 19 de agosto de 2019

Home / EDITORIAS  / Internacional  / Alpinista Rodrigo Raineri comenta os motivos que anteciparam o fim do Projeto Everest 2019

Alpinista Rodrigo Raineri comenta os motivos que anteciparam o fim do Projeto Everest 2019

Depois de vários episódios de intoxicação alimentar, uma forte gripe e uma pneumonia, profissional antecipa sua volta ao Brasil e conta um pouco sobre as lições aprendidas durante uma das expedições mais desafiadoras de sua carreira

Escalar o Monte Everest pela sexta vez e conquistar o cume da maior montanha do mundo pela quarta vez era o plano inicial do alpinista Rodrigo Raineri, ao embarcar para o Nepal no dia 24 de março, quando deu início ao Projeto Everest 2019. Mas uma série de fatores externos levaram o profissional a declarar como encerrada a sua expedição ao Monte Everest um pouco antes do esperado.

A falta de higiene na manipulação dos alimentos servidos aos alpinistas rendeu ao alpinista vários episódios de intoxicação alimentar que deixaram sua saúde bastante fragilizada. Posterior a isso, Raineri foi acometido pela gripe que está se alastrando pelos acampamentos do Monte Everest na temporada de escalada deste ano. Já são  diversos casos de gripe confirmados pelas equipes de saúde locais do Nepal (sendo 16 casos de gripe H1N1 no último outono e 4 casos confirmados até abril deste ano) e os vilarejos que servem como ponto de descanso para trekkers e alpinistas acabaram se tornando o ambiente perfeito para o vírus contaminar pessoas vindas de todo o mundo que ali param para dormir, comer e repor as energias durante processo de aclimatação. E quem está contaminado com o vírus da gripe acaba tendo o seu limite ao mal da altitude reduzido.

Além das questões de saúde, Raineri teve que retornar à Katmandu de helicóptero após resgatar seu companheiro de escalada, o médico e montanhista Mauro Chies, que caiu numa greta próxima ao acampamento C2, fraturando um de seus dedos numa impressionante queda de aproximadamente 10 metros. “Este sem dúvida foi o momento de maior tensão desta expedição. Eu estava caminhando a alguns metros à frente do Mauro e quando olhei para trás ele já tinha caído. Pensei que ele tinha morrido! Eu e quatro sherpas fizemos o resgate em poucos minutos e fomos de helicóptero até Lukla, onde trocamos de helicóptero e seguimos para o hospital de Katmandu. É muito difícil que uma pessoa que caiu numa greta sobreviva para contar essa história” – conta Raineri.

Quando chegou a Pangboche, a 1.300 metros abaixo do acampamento de base do Everest, Raineri sentiu que havia algo de errado com sua saúde, que foi piorando ao longo dos dias. Com isso, o alpinista decidiu acionar o seguro para retornar à Katmandu de helicóptero para a realização de exames, que constaram que ele estava com pneumonia.

“Quando fui hospitalizado em Katmandu e recebi o diagnóstico de pneumonia, entendi que era hora de encerrar a expedição. Seriam necessários mais dias para me recuperar completamente e eu não teria tempo hábil para recuperar toda a aclimatação que eu já tinha feito. É preciso respeitar, além dos limites da montanha, os limites do nosso próprio corpo também” – comenta o alpinista.

Após tantos episódios desafiadores, Raineri leva para casa preciosas lições, que vai compartilhar nas futuras palestras que dará pelas empresas de todo o país, já que o alpinista atua também como palestrante, dividindo com o público um pouco da sua vivência em pontos extremos do planeta e a liderança exercida em momentos difíceis, bem como o treinamento e a gestão de riscos.

“Saio da montanha emocionalmente mais forte do que cheguei. Nesta expedição pude comprovar que a montanha muda todo ano. Por mais que eu já tenha escalado o Everest outras vezes, esta foi uma expedição completamente diferente das que vivi anteriormente. Depois de tantos aprendizados, não tem preço voltar para casa e para minha família com saúde” comenta o alpinista.

De volta ao Brasil, Raineri dará andamento ao desenvolvimento do seu projeto “Destinos Inteligentes”, uma plataforma de tecnologia que tem por objetivo transformar o turismo no Brasil.

O cinegrafista Júlio Blander, o médico e montanhista Mauro Chies e o alpinista Rodrigo Raineri durante o Projeto Everest 2019

Especialista em conduzir e orientar pessoas que sonham em se desafiar na prática do montanhismo, Raineri já liderou expedições para oMonte Everest (três vezes no cume até o momento), localizado entre o Nepal e o Tibet na Ásia e conhecida como a maior montanha do mundo e de extrema dificuldade (8.848m); para o Aconcágua na Argentina (seis vezes no cume), que além de ter guiado diversas expedições pela sua rota normal, também escalou em pleno inverno e pela desafiadora Face Sul (6.962m); para o Denali no Alasca (6.194m), o Kilimanjaro (duas vezes), cercado pelas belezas naturais da Tanzânia (5.895m); para o Maciço Vinson na Antártica (4.892m), para o selvagem e remoto Carstensz na Oceania, que coloca a expedição em contato com tribos preservadas (4.884m) e por fim, para oMonte Elbrus (5.642m) na Rússia. O alpinista tem duas obras publicadas até o momento: o livro “No Teto do Mundo” e o livro “Imagens do Teto do Mundo”.

O Projeto Everest 2019 contou com o patrocínio master do CPqD e patrocínios da 4BIO, BR3 Engenharia, Destinos Inteligentes, Clínica Visão Serra e Guilherme Benchimol. Apoio da Cia Athletica, Thule, Instituto Trata Campinas, Feinkost, Solo Equipamentos, Spa Lapinha, Sol Paragliders, Daniel Cady Nutrição Personalizada, SPOT e ABP (Associação Brasileira de Parapente). A realização do projeto foi de Raineri Consultoria & Projetos Especiais.

Sobre Rodrigo Raineri

Nascido em Ibitinga –SP, e formado em Engenharia da Computação pela UNICAMP, o alpinista, empresário, palestrante e escritor Rodrigo Raineri possui 30 anos de experiência em rocha, gelo e alta montanha. Consagrado como o único brasileiro a escalar a temida face sul do monte Aconcágua, Raineri já realizou dezenas de projetos e expedições de montanhismo, dentre os quais destacam-se também a escalada e decolagem do Mont Blanc (França) e a chegada ao cume do Kilimanjaro (Tanzânia). Raineri é o único brasileiro a ter liderado como guia as sete maiores montanhas de cada continente no conhecido Projeto Sete Cumes.

redacao@mgturismo.com.br

Agência de Notícias do Turismo, noticiário de MG, do Brasil e exterior em tempo real. O mais tradicional jornal especializado em turismo de Minas Gerais, com circulação ininterrupta desde 1985.

Avalie esta notícia:
0 Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.

Leia a Edição

Edições Anteriores

Confira os destaques

Nenhuma matéria foi encontrada.

×