Edição Impressa

Circuito Liberdade se expande e reforça interface entre cultura e turismo

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) apresentou a nova proposta do Circuito Liberdade e sua interface com o Turismo. O projeto foi divulgado em coletiva de imprensa híbrida (parte virtual/ parte presencial).

O Circuito Liberdade, situado na capital mineira, é um conjunto de equipamentos culturais integrados reconhecido e consolidado nacionalmente, voltado para a promoção da cultura e do turismo do estado, com foco na difusão do conhecimento e na economia criativa.

No evento, o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, e o secretário adjunto de Cultura e Turismo, Bernardo Silviano Brandão, apresentaram o Decreto do Estado que passa a reger o Circuito Liberdade.

Este instrumento estabelece que o conjunto arquitetônico do Circuito será expandido, abrangendo, de forma integrada, equipamentos culturais do Estado de Minas Gerais e de parceiros presentes na área definida pelo projeto original de 1895 da cidade de Belo Horizonte, delimitada pela Avenida do Contorno.

Além disso, o Decreto também estabelece o roteiro turístico denominado “Circuito Liberdade”, que será regulamentado por meio de resolução da Secult, órgão que passa a ser gestor da iniciativa.

De acordo com o secretário Leônidas Oliveira, essa nova proposta, amparada pelo Decreto, intensifica a transversalidade entre cultura e turismo, potencializando e fortalecendo o Circuito Liberdade e seus desdobramentos. “A ideia é fomentar a cultura de forma mais ampla e criar rotas turísticas dentro do Circuito Liberdade, para comercializar esses produtos de forma organizada e competitiva. Organizaremos diversas rotas turísticas também na área central, contribuindo para sua revitalização, e vamos dialogar com os demais espaços culturais e instituições que desejarem fazer parte da iniciativa, abrindo inúmeras possibilidades de parcerias e arranjos criativos, em consonância com as políticas públicas de promoção à cultura e ao turismo do Estado”, destaca Oliveira.

“O fortalecimento da união entre cultura e turismo no Circuito Liberdade é uma grande potência e será nossa contribuição para alavancar a economia durante esta retomada. Por meio da articulação de ações, vamos privilegiar e estimular o turismo de experiência, tendência e vocação de Minas Gerais”, lembrou o secretário.

Bernardo Silviano Brandão ressaltou a importância da gestão da Secult nesta nova configuração do Circuito. “Essa ampliação da área vai aumentar nossa capacidade de aproximar o polo criativo de Belo Horizonte. Nossa intenção é que o Circuito Liberdade seja mais pujante e mais inclusivo, transbordando BH e que se estenda por outras regiões do estado”, disse.

Olhar ampliado

A proposta é que o novo Circuito Liberdade permita redescobrir a capital mineira a partir da Praça da Liberdade, expandindo limites nas diversas rotas turísticas que serão criadas. Essas rotas narrativas serão articuladas em rede, unindo cultura popular, cultura urbana, patrimônio, tradições e educação. O objetivo central é incrementar a experiência do visitante, estimulando a interatividade, transversalidade de temas, afetividade e o conhecimento.

Os próximos passos para a consolidação da nova configuração do Circuito Liberdade incluem mapeamento e plano de parcerias, a criação de uma programação cultural integrada e conexão com festivais e eventos já existentes, criação de ferramentas de interação, como a plataforma digital do Circuito, dentre outros.

O evento teve, ainda, palestra com o tema “Interfaces Turismo e Cultura no Circuito Liberdade”, apresentada pelo jornalista e historiador Mauro Werkema, que registra passagens pelo Iphan, Secretaria de Cultura de Ouro Preto, Belotur e Fundação Clóvis Salgado. O encontro se encerrou com uma visita ao Palácio da Liberdade.

Circuito Liberdade em números

Desde sua inauguração, o Circuito Liberdade contabiliza 12,9 milhões de visitantes. Em 2019, foram 2,5 milhões de visitantes, uma média mensal de 205 mil pessoas. Em outubro de 2019, mês em que as programações são pensadas para o público infantil, os espaços culturais do Circuito Liberdade receberam, juntos, 235 mil visitantes. Dentre os equipamentos culturais em funcionamento, nove são geridos diretamente pelo Governo do Estado e os outros funcionam por meio de parcerias público-privadas ou parcerias com instituições públicas federais.

Equipamentos públicos sob a gestão do Estado

  1. Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais
  2. Palácio da Liberdade
  3. Arquivo Público Mineiro
  4. Museu Mineiro
  5. Centro de Arte Popular
  6. Cefart Liberdade
  7. BDMG Cultural
  8. Espaço Cultural da Escola de Design UEMG
  9. Iepha – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Prédio verde)

Equipamentos sob gestão de parceiros

  1. Espaço do Conhecimento UFMG
  2. MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal
  3. Memorial Minas Gerais Vale
  4. Centro Cultural Banco do Brasil
  5. Casa Fiat de Cultura
  6. Academia Mineira de Letras
  7. Centro Cultural Minas Tênis Clube