Notícias

Como o primeiro Aeroporto Industrial do país refletirá na retomada da economia

Tema foi debatido em programa ao vivo, nesta quinta-feira, com a presença de autoridades, como o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes Freitas, e o governador Romeu Zema, e empresários

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte promoveu nesta quinta-feira (25), um programa ao vivo, para debater as contribuições que o Aeroporto Industrial pode trazer para a economia brasileira. Entre os participantes da conversa estiveram o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes Freitas, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, o diretor-presidente da BH Airport, Marcos Brandão, o senador mineiro Antonio Anastasia, vice-presidente do Senado, o secretário Nacional de Aviação Civil, Ronei Glanzmann, o subsecretário-geral da Receita Federal, Decio Rui Pialarissi, além de autoridades e empresários.

O Aeroporto Industrial, que foi inaugurado pela BH Airport, concessionária do aeroporto, é um projeto inédito que prevê benefícios fiscais a empresas exportadoras que estiverem instaladas dentro do sítio aeroportuário. O empreendimento tem grande potencial para elevar a competitividade das empresas brasileiras no contexto internacional, além de atrair novos investimentos externos para o Brasil.

Para o ministro Tarcísio Gomes Freitas, o empreendimento é fundamental no atual momento de pandemia do novo coronavírus, em que está em discussão as cadeias de produção global e em que se rediscute a industrialização e importância da infraestrutura. “Esse é o primeiro exemplo de aeroporto industrial no Brasil, com regime especial que vai atrair empresas e gerar emprego. A BH Airport teve a sensibilidade e levou a frente esse projeto e tenho certeza que as empresas vão enxergar essa oportunidade. É uma grande iniciativa, que vai ajudar muito nessa retomada”, destaca.

O primeiro Aeroporto Industrial do Brasil conta com uma área disponível de 750 mil metros quadrados. O número de empresas que poderá abrigar depende da área que cada uma demandará. De toda forma, há uma expectativa de atração de cerca de 250 empresas, ao longo dos próximos anos, o que tende a gerar milhares de empregos e renda. O projeto contempla áreas comuns, como vestiário, business center, refeitório, entre outros.

O projeto é destinado a empresas que tenham como foco principal a exportação de produtos manufaturados, utilizando matérias-primas importadas em seu processo produtivo. Além disso, essas empresas terão a facilidade de importar matérias-primas e exportar sua produção utilizando o modal aéreo, acessando mercados internacionais e nacionais de forma rápida, eliminando o custo e o risco com o transporte rodoviário.

Zona Franca mineira

Para Marcos Brandão, assim como a Zona Franca de Manaus foi uma iniciativa inovadora na década de 60, o Aeroporto Industrial é um projeto pioneiro em Minas que refletirá, principalmente, na consolidação de um ecossistema de desenvolvimento e atração de empresas para toda a região do Vetor Norte e Metropolitana de Belo Horizonte. “Temos potencial para receber investimentos privados da ordem de R$ 3,5 bilhões nos próximos anos, considerando a soma dos investimentos de cada uma das empresas que aqui se instalarem. Estamos em uma região estratégica, com localização geográfica privilegiada, que favorece a consolidação de um hub de negócios na região”, avalia.

O governador Romeu Zema também ressalta a importância do empreendimento, sobretudo para o crescimento da economia mineira. “O Aeroporto Industrial é um projeto pioneiro que irá refletir no desenvolvimento econômico de Minas Gerais e do país, com atração de investimentos para Belo Horizonte e região metropolitana, além da geração de empregos. Localizado em uma região estratégica, o Aeroporto Industrial trará mais competitividade às empresas lá instaladas, que terão tratamento tributário diferenciado e mais facilidade para comercializar seus produtos. O empreendimento será um motor para a retomada do crescimento da nossa economia”, estima.

O senador Antonio Anastasia também aposta em um futuro promissor para o empreendimento. “Esse é um sonho de mais de duas décadas, resultado de muito planejamento e empenho que vai gerar frutos muito positivos para Minas Gerais. Estamos dando um salto para mais desenvolvimento, mais geração de renda e de empregos. Estamos dando um salto para o futuro”, destaca.

No setor industrial, Flávio Roscoe, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), também demostrou bom ânimo com a inauguração do Aeroporto Industrial e início das operações da Clamper,  previstas para julho. “O Aeroporto Industrial de Minas Gerais irá catalisar a integração de indústrias mineiras com alto conteúdo tecnológico comum, possibilitando a elas a oportunidade de crescimento acelerado e aumento de produtividade”, conclui.

Sobre a BH Airport

A BH Airport, concessionária do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, é uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) formada pelo Grupo CCR, uma das maiores companhias de concessão de infraestrutura da América Latina, e por Zurich Airport, operador do Aeroporto de Zurich, o principal hub aéreo da Suíça e considerado um dos melhores aeroportos do mundo, além da Infraero, estatal com experiência de mais de 40 anos na gestão de aeroportos no Brasil, que tem 49% de participação.