Notícias

Ferramenta pioneira de gestão e planejamento turístico criada por Minas Gerais é compartilhada com outros estados

Cerimônia marcou a cessão oficial da Plataforma Integrada do Turismo aos estados do Tocantins e de Goiás e à cidade de Palmas

Em um evento on-line promovido nesta segunda-feira (29/3), a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) oficializou a cessão gratuita da Plataforma Integrada do Turismo (PIT) para mais três localidades: os estados de Goiás e Tocantins e a cidade de Palmas (TO). A iniciativa de Minas Gerais é pioneira no Brasil e tem despertado o interesse de vários outros estados, pelo fato de combinar, em um único sistema, informações qualificadas para gestão turística, planejamento territorial e marketing de destinos.

Participaram do encontro o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira; os presidentes da Agência Estadual de Turismo de Goiás, Fabrício Borges Amaral, e da Agência Municipal de Turismo de Palmas, Marcio Neres; a superintendente de Turismo da Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa de Tocantins, Maria Antônia Valadares; além da subsecretária de Turismo da Secult, Milena Pedrosa, e da superintendente de Políticas do Turismo da pasta, Flávia Ribeiro.

O secretário Leônidas Oliveira enfatizou sua satisfação em poder compartilhar o trabalho feito em Minas, a partir da Plataforma Integrada do Turismo, e também a importância da descentralização das iniciativas e políticas. “Em Minas temos mais de 40 Instâncias de Governança Regional, que chamamos de Circuitos Turísticos, espalhadas pelo território, trabalhando para a integração dos municípios e do nosso turismo, para que juntos sejamos capazes de construir projetos comuns. A Plataforma, que espelha toda a diversidade do turismo mineiro, é importante no sentido de permitir conhecer as regiões, para que possamos atuar a partir de informações confiáveis, em um estado em que cerca de 70% do turismo é cultural e em que o turismo de natureza é muito crescente”.

Oliveira reforçou a posição de Minas Gerais em cooperar com os demais estados para aprimorar a atividade turística nas regiões e contribuir com a recuperação econômica: “Mesmo em meio a essa fase desafiadora da pandemia que todos vivemos, continuamos trabalhando e planejando, função do poder público e de nós servidores, para uma retomada melhor e organizada das atividades do turismo. Entendemos que é preciso unir forças e agora mais do que nunca, por isso compartilhamos a Plataforma e estamos à disposição para colaborar com outros estados. O planejamento segue em frente, e estamos preparando uma retomada que gere, sobretudo, emprego e renda”, declarou o secretário.

Ao agradecer o Estado de Minas Gerais pela cessão da PIT, Fabrício Borges Amaral destacou a qualidade da ferramenta e a importância do ato de Minas em compartilhá-la, “que representa muito bem o que pandemia tem nos ensinado durante esses 12 meses, que não existe competitividade, mas sim união e troca de experiências porque isso é o que nos fará avançar na retomada do turismo”.

“Já temos trabalhado conjuntamente com Minas Gerais e trocado dados técnicos com a equipe da Secult há mais tempo e estamos felizes em consolidar a parceria com o estado. A implantação da Plataforma no Tocantins vai permitir com que possamos atuar de forma muito mais assertiva em nossas sete regiões turísticas e vai mudar a história do nosso turismo”, disse Maria Antônia Valadares.

Para Marcio Neres, a parceria e a utilização da Plataforma irão ajudar a promover ainda mais a cidade de Palmas. “Receber a base dessa ferramenta dará uma imensa contribuição ao turismo de nossa capital. Acredito que vamos avançar muito com esse exemplo de Minas e junto ao Ministério do Turismo, porque além de nos ajudar com a gestão e formatação de dados turísticos, vamos poder preparar e promover nossa cidade para receber turistas após o período da pandemia”, ressaltou.

Após a formalização da cessão, os estados de Goiás e Tocantins, ao lado do Piauí, que também já se integrou ao uso da PIT, recebem um treinamento da área de Tecnologia da Informação da Secult nos dias 29, 30 e 31 de março.

Por dentro da Plataforma Integrada de Turismo

Uma apresentação do histórico, da metodologia e das funcionalidades da PIT foi feita pela superintendente Flávia Ribeiro. O sistema é simples, intuitivo, tem fácil navegabilidade e acesso para diversos tipos de dispositivo; segurança da informação com preservação do conteúdo para Estado, IGRs e municípios; base ilimitada de conteúdos para criação ágil de websites promocionais e geração de conteúdo para planejamento de atividades, além do controle de pendências por meio de um painel geral para facilitar a concentração de esforços.

Na prática, a PIT é visualizada no Portal Minas Gerais e no perfil do Instagram @visiteminasgerais, que promovem o estado como destino e interligam toda a rede do turismo mineiro, com a vantagem de estreitar a relação entre turistas e equipamentos turísticos. Só em janeiro e fevereiro de 2021, foram 244 mil acessos orgânicos.

O portal tem como alicerce o Inventário da Oferta Turística, que é alimentado na PIT pelos municípios e IGRs mineiros e se configura como o principal instrumento de levantamento, identificação e registro da oferta turística municipal.

A inserção dos dados do Inventário, além de ser condição obrigatória para a participação de municípios na Política de Regionalização do Turismo de Minas Gerais, conforme Resolução Secult 16/2020, permite que a plataforma mantenha informações atualizadas sobre infraestrutura de apoio ao turismo, serviços e equipamentos turísticos e atrativos de todo o estado. Isso se reflete não só em uma base de dados úteis para o turista, como também norteia as políticas públicas da Secult para a promoção do turismo e para combate a possíveis ameaças ao setor.

Atualmente, com a contribuição dos 517 municípios regionalizados e das 44 Instâncias de Governança Regionais (IGRs), o Portal Minas Gerais concentra mais de 47 mil itens cadastrados: mais de 16 mil serviços turísticos; cerca de oito mil atrativos turísticos; aproximadamente 15 mil informações sobre a infraestrutura de municípios e mais de seis mil registros entre blogs, eventos, roteiros, destinos, pacotes e circuitos turísticos. Os dados são de fevereiro de 2021.

A plataforma chamou a atenção de gestores de Turismo de outros estados por apresentar benefícios como reduzir a tramitação de papel, fornecer uma base de informações para o planejamento, gestão e promoção da atividade turística aplicados à realidade de cada região. Outros oito estados brasileiros já aderiram à PIT e implantaram seu sistema, enquanto outros quatro estados iniciaram as tratativas para cessão e uso. A PIT é cedida gratuitamente pela Secult-MG a secretarias e órgãos públicos de turismo.

A íntegra do encontro está disponível para acesso pelo canal da Secult no Youtube.