Notícias

Home office aumenta em 703% o consumo em aplicativos de delivery

Deliveryman with protective medical mask holding pizza box and POS wireless terminal for card paying, ringing at the doorbell - days of viruses and pandemic, food delivery to your home and safety hygiene measures.

Mesmo com o início da flexibilização, empresários devem manter o trabalho remoto por alguns meses

Home office aumenta em 703% o consumo em aplicativos de delivery
(Crédito: Divulgação)

Desde que a quarentena começou, o consumo em cartões de benefícios nos aplicativos de delivery cresceu 703% em abril se comparado ao mês de fevereiro de 2020, antes da pandemia surgir no Brasil. O dado é de um levantamento realizado pela Flash Benefícios, startup de benefícios flexíveis, por meio de um cartão único. 

Isso pode ser explicado pelo distanciamento e isolamento social, que tiveram início em março, e, assim, aulas, trabalhos presenciais e qualquer outra atividade de lazer como a ida a shows e cinemas foi cancelada, adiada ou adaptada aos tempos atuais. Deste modo, empresas adotaram o home office e, com mais tempo em casa, as pessoas acabam optando por comprar coisas online.

Essa movimentação em busca de uma adaptação ao vírus faz parte do “novo normal”, em que os cidadãos minimizam as chances de qualquer eventual saída às ruas. Nesse cenário, compras em restaurantes, farmácias, lojas de conveniência, pet shops, entre outros locais, tem apresentado alta. De acordo com o estudo, produtos como snacks e chocolates foram 12,7% mais vendidos durante a quarentena em comparação ao período anterior. 

Os itens de saúde, como compras de itens de higiene pessoal e medicamentos, também apresentaram crescimento em relação ao período pré e pós-quarentena, com 13,08%. Enquanto isso, o uso de bilhetes de transporte caiu 78% entre os meses de fevereiro e abril de 2020.

Para especialistas, essa condição deve perdurar por mais alguns meses, mesmo que exista a reabertura gradual dos comércios nas cidades brasileiras, como São Paulo e Rio de Janeiro. Um estudo realizado pela consultoria Cushman&Wakefied comprovou que 73,8% das empresas brasileiras entrevistadas pretendem seguir com o regime home office como prática definitiva quando o surto da doença acabar.

Entre 122 executivos das multinacionais ouvidos pelo levantamento, 59% deles gostaram do modelo de trabalho. Sendo assim, as compras realizadas em mercados e delivery em SP, no RJ e em outras cidades deve permanecer registrando alta nos próximos meses. 

“O ‘novo normal’ exigirá mais consciência dos brasileiros. Por mais que se discuta uma flexibilização da quarentena, por segurança, muitas empresas continuaram adotando o home office como forma de incentivar o distanciamento social, e o consumo de delivery deve permanecer alto nos próximos meses. Por isso, há a necessidade de flexibilizar o pacote de benefícios dos funcionários e dar a eles mais opções de escolha”, diz o CEO da Flash Benefícios, Ricardo Salem.