Edição Impressa

Músicas de Roberto Carlos marcam carreira de jornalista

Texto de João Batista Zuccaratto

Rei Roberto Carlos, que completou 79 anos em julho

Produzi um livro muito interessante: “Roberto Carlos: as canções que você fez pra mim”. O autor, Maciel de Aguiar, dispendeu meio século para concluí-lo. Teve a ideia em 1969, quando passou a perguntar às pessoas qual a música do Rei havia marcado a vida delas. Conversando com anônimos e celebridades pelo Brasil, reuniu um imenso acervo de textos. E escolheu 50 deles para compor a obra, lançada no início de 2020.

Há capixabas, como o “Patrono da Ecologia”: Augusto Ruschi; o “Sabiá da Crônica”: Rubem Braga; o “Cafajeste dos Cafajestes”: Carlos Imperial; e, o cantor e compositor Sérgio Sampaio. Entre os nacionais, tricampeão de Fórmula 1: Ayrton Senna da Silva; “Atleta do Século”: Pelé; “Anjo das Pernas Tortas”: Garrincha; “Maior Cronista Brasileiro”: Carlos Drummond de Andrade; “Gênio da Arquitetura”: Oscar Niemeyer…

Durante os processos de revisão e editoração, fiquei pensando se algum trabalho de Roberto Carlos teve efeito similar comigo. Recordei dois, mas devido a situações bem especiais, relacionadas às atividades profissionais exercidas por mim: jornalismo e publicidade. A primeira, Amigo, autoria dele, homenageando Erasmo Carlos, parceiro de inúmeras obras-primas — como na criação da segunda, Sentado à beira do caminho.

Papa João Paulo II

Era janeiro de 1979, quando o papa João Paulo II fez sua primeira viagem internacional, visitando Bahamas, República Dominicana e México. Na capital deste último, ao entrar no Estádio Azteca, foi surpreendido por cerca de 200 mil crianças cantando, a uma voz, Amigo, em espanhol. Encantado, pede a alguém uma cópia da letra e passa a integrar o coral. Lembrando disso 40 anos depois, para produzir este texto, ainda fico emocionado.

Editores da revista Time, na época, de maior circulação nos Estados Unidos da América e no mundo, impressionados com a manifestação, correram para descobrir o autor da canção. E, fato inédito na vida da publicação, na qual ser citado em pequena nota era o auge para qualquer um, dedicaram uma página inteira para descrever um brasileiro com enorme sucesso no mundo latino, e ainda desconhecido no mercado norte-americano.

Amigo não figura em “Roberto Carlos: as canções que você fez pra mim”. Ninguém a deve ter relacionado como a “música da minha vida”, como todos fizeram. Assim, seus versos deixaram de ser entremeados ao longo das diversas histórias desenvolvidas por Maciel de Aguiar — isso acontece com todas as outras incluídas naquelas páginas.

Comercial de TV

Corriam os anos 1990 quando a WBrasil, talvez a agência de propaganda mais criativa da publicidade brasileira, rompeu a inércia dos comerciais de televisão com 30 ou 60 segundos de duração. Criou peças baseadas em sucessos da Música Popular Brasileira, ocupando até cinco minutos de horários nobres. Um deles, para o detergente Pinho Bril Plus, da Bombril, com a canção Pense em Mim, megassucesso de Leandro e Leonardo.

Outro foi para a Rede São Paulo, de postos de combustíveis, nanica do setor, frente as concorrentes Atlantic, BR Distribuidora, Esso, Ipiranga, Shell, Texaco etc. Tendo por fundo a composição Sentado à beira do caminho, mostrava três frentistas em um posto vazio, sentados, um ao lado do outro. Ao ouvir o ruído de um carro aproximando-se, abriam largos sorrisos, levantavam, corriam para atender, mas o veículo passava direto, sem nem se aproximar.

Os interessados em adquirir exemplares de “Roberto Carlos: as canções que você fez pra mim” devem falar diretamente com a Memorial Editora, através do DDD 27 e celular 9-9988-1257 ou e-mail memorialeditora@yahoo.com.br, para obter as orientações necessárias

Eles voltavam a sentar, amuados, decepcionados, tristes. Enquanto a canção continuava a ser interpretada por Roberto Carlos, a cena se repetia, várias vezes. Ao final, baixava o som da música, entrava locução vendendo o atendimento diferenciado da rede, dentro do espírito “não somos os maiores, mas somos os melhores, venha experimentar”. Ou seja: de acordo com o refrão “lembrar que eu existo, eu existo, eu existo, eu existo…”

Situação da marca no mercado, cenário de abandono junto a uma rodovia movimentada, atitude dos atores, tudo, mas tudo mesmo, estava de acordo com a primorosa criação de Erasmo Carlos e Roberto Carlos. Também fico emocionado de recordar aquele trabalho, premiadíssimo no Brasil e no exterior. Esta faz parte do conteúdo do livro, relacionada a longo trecho da vida de um rapaz derrubado ao chão após uma forte decepção amorosa.

Adeus a Zucaratto

Zucaratto deixou este texto pronto para os leitores do JORNAL MG TURISMO. Ao saber de sua morte, o jornalista Antônio Claret Guerra assim se manifestou: “que Deus tenha, entre os eleitos, meu amigo, colega e colaborador do JORNAL MG TURISMO (excelente texto), João Zuccaratto, que morreu hoje em Vitória, vítima de um Infarto fulminante. Solteiro, não deixou filhos, algumas namoradas, tinha pouco mais de 60 anos. Fundador da ABRAJET-ES, amigo de Minas Gerais, descendia de italianos”.