Notícias

O que é preciso para investir em ações?

Até alguns anos atrás era altamente viável investir em renda fixa para alcançar resultados expressivos. Com a taxa de juros em alta, ativos com rentabilidade atrelada a ela representavam a certeza de retorno aliado a segurança e liquidez, o que caracterizava uma situação ideal para o investidor. 

Entretanto, essa não é a regra ao longo da história. Segurança, liquidez e alta rentabilidade geralmente não aparecem em um mesmo ativo. Investir em renda fixa continua sendo uma boa ideia, mas apenas em termos de garantia e, em alguns casos, resgate facilitado. Quando se procura lucro, o ideal é recorrer a investimentos como o mercado de ações. 

O que é o mercado de ações 

A compra e venda de ações pertence a uma fatia do mercado financeiro chamado de renda variável, que não apresenta previsibilidade em relação ao retorno. Ao contrário da renda fixa, cujo baixo rendimento está atrelado à taxas básicas, como a Selic, a reda variável não segue essa limitação, o que permite que o investidor se associe a projetos com potencial ilimitado de crescimento. 

O mercado de ações é uma opção de investimento dentro da renda variável, em que é possível comprar ativos das empresas na Bolsa de Valores de maneira que o investidor se torna dono de parte do capital social de uma companhia, ou seja, de ações dela. Conforme determinado empreendimento mostra crescimento, mais suas ações valorizam, o que gera lucro ao investidor. 

Quem pode investir em ações 

É preciso ter cadastro em uma corretora de valores autorizada a negociar em nome do cliente com a B3, a Bolsa de Valores brasileira. Assim, tendo sua situação legal regularizada, qualquer pessoa pode enviar dinheiro da conta bancária para a conta da corretora e assim adquirir as ações. 

O negócio é realizado em um sistema digitalizado, a plataforma de investimentos disponibilizada pela corretora. É nela que se pode encontrar o chamado Home Broker, onde estão disponibilizados os ativos e é apresentado todo o ambiente da Bolsa de Valores. Com acesso ao Home Broker da corretora, o investidor pode comprar os ativos de maneira individual e direta, com a apuração dos resultados e recolhimento de impostos feito mensalmente. 

Existe também a possibilidade de se investir em grupo e de maneira indireta, por meio da compra de cotas de fundos de investimento. Neste caso, o investidor entra no fundo, em que o dinheiro de todos os participantes serve para que o gestor tome as melhores decisões a respeito do destino desse montante, seguindo as diretrizes do projeto. 

Os valores mínimos das cotas podem variar de acordo com cada fundo e a apuração do imposto é realizada pelo administrador. Uma vantagem desta modalidade é o Imposto de Renda (IR) ser retido na fonte. 

Por que as ações oferecem boa rentabilidade?

Os ativos refletem o valor de mercado das empresas que representam. Um investidor que adquire uma parte do empreendimento vê essa aplicação se valorizar ou desvalorizar de acordo com o que o mercado avalia da empresa como um todo. 

Por isso não existem garantias de retorno nesse investimento. Ao mesmo tempo, há grande potencial de rentabilidade para quem consegue se associar a projetos interessantes, seja pela via direta ou indireta. 

Vale destacar que o mercado de ações não se resume apenas à compra e venda de ativos, podendo o investidor lucrar também com os chamados proventos, que são repasses de parte do ganho de capital das empresas aos acionistas. 

Como e quando começar 

O ideal é o investidor começar com um estudo de perfil. Este é um serviço que geralmente as corretoras de valores oferecem de maneira gratuita. A ideia é que o cliente tenha clareza a respeito de qual é o tipo de aplicação mais adequada para suas características individuais a fim de amenizar a incidência de erros. 

Consequentemente, o investidor pode traçar uma estratégia de acordo com o perfil identificado e, caso faça sentido, ele pode usar o Home Broker para comprar ativos conforme os chamados tickers, que são os códigos das ações na Bolsa. 

Basta enviar uma ordem de compra para a B3 e a corretora fará a intermediação de acordo com os valores dos ativos e os tributos que ela e a bolsa cobram pelas operações. Por isso, é importante conferir as condições de cada corretora para fazer bons negócios.