Notícias

Observatório do Turismo de MG analisa evolução de pandemia do Corona no setor

Boletim divulgado quinzenalmente na Internet é produzido por meio de coleta e análise de dados de diferentes segmentos turísticos

Empenhada em acompanhar de perto os impactos da pandemia da Covid-19, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), por meio do Observatório de Turismo de Minas Gerais (OTMG), divulga o “Boletim do Turismo – Impacto do Coronavírus em Minas Gerais”. A publicação, divulgada quinzenalmente no site do OTMG, reúne dados monitoráveis e de pesquisas espontâneas da cadeia turística no estado.

Produzido pelo Núcleo de Pesquisa e Estatística da Superintendência de Políticas do Turismo da Secult, o Boletim teve sua primeira edição divulgada em 22 de abril (acesse aqui). Nesse levantamento inicial, foram compilados dados sobre a movimentação do Aeroporto Internacional de Confins, com a quantidade de voos confirmados e cancelados durante o período de 7 a 13 de abril, indicativos sobre o setor hoteleiro e de serviços e as expectativas em relação ao fim da pandemia.

De acordo com a subsecretária de Turismo da Secult, Marina Simião, a divulgação do boletim para o público é uma iniciativa fundamental para que toda a cadeia turística do estado entenda, de forma mais sistematizada, os impactos da pandemia. “Todos os indicativos compilados nesse documento funcionam como um termômetro para compreendermos como temos sido afetados pela pandemia. E é por meio do Boletim que passamos o atual retrato do setor para os empreendedores do turismo, entidades e demais interessados na área”.

A subsecretária também destaca que a elaboração do Boletim tem forte relação com as políticas públicas do Turismo que podem vir a ser adotadas no médio e no longo prazo. “O monitoramento dos dados é muito importante para a Secult, já que eles vão nos indicar a movimentação da cadeia turística, quais áreas têm sido mais afetadas, as que estão conseguindo manter suas atividades. O entendimento desse cenário vai nos ajudar a elaborar, de forma ainda mais consistente, as políticas públicas necessárias para o Turismo ao longo do tempo”, conclui Marina Simião.

Impacto em números

Dados obtidos por pesquisa realizada pelo Sebrae sobre a atividade econômica do trade turístico durante a segunda quinzena de março também estão reunidos na pesquisa. Os números levantados condensam a atuação dos pequenos negócios durante a pandemia e como a paralisação das atividades impactou na rotina orçamentária das empresas. Outro dado apresentado é a porcentagem de empresários que solicitaram crédito ou precisaram reduzir o quadro de funcionários.

O Boletim também aponta para as expectativas dos brasileiros em relação ao período de pós-pandemia. Em pesquisa realizada com visitantes do blog Falando de Viagem, mais da metade dos entrevistados (52,1%), afirmaram o interesse em fazer alguma viagem após o fim do distanciamento social. Já 37,7% dos internautas só vão se sentir seguros em marcar uma nova viagem após dois a quatro meses, mesmo com a normalização das atividades.

Pesquisa realizada pelo Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB) indica que 96% dos hotéis pretendem reabrir até julho deste ano. A retomada gradual dos serviços no estado pode ser reforçada pelo programa Minas Consciente – retomando a economia do jeito certo. A iniciativa, lançada pelo Governo de Minas Gerais em 28 de abril, apresenta protocolos sanitários para que os municípios retomem suas atividades econômicas, impactando, também, no turismo.

Comparativos

Já a segunda edição do Boletim, publicada nesta quarta-feira (6/5), analisa o período de 24 a 29 de abril (Acesse aqui). O documento traz o índice de isolamento social em Minas Gerais, obtido por meio do aplicativo InLoco, e uma estimativa de voos realizados em Confins, de acordo com levantamento prévio realizado pelo site Fight Radar. Outro indicativo é a quantidade de assentos em voos domésticos, dado disponibilizado pela Anac e pela Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear).

Na primeira edição de maio do Boletim também está o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC), obtido em pesquisa realizada pela  Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), e que faz um panorama da percepção e das expectativas do empresariado entre os meses de março e abril.

Análise e interpretação

A reunião de todos os dados que constam no Boletim é proveniente de um trabalho minucioso de pesquisa realizada pelo Núcleo de Pesquisa e Estatística da Secult. Com diversas fontes consultadas, como a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), além de sites e blogs especializados em Turismo, os números são cruzados e interpretados de acordo com a demanda de cada segmento analisado.

Essa metodologia permite, por exemplo, que a Secult possa sintetizar o volume enorme de dados que estão sendo gerados nesse período de pandemia. É também por meio dessa coleta sistêmica de informações que são estabelecidos parâmetros de monitoramento. No caso da taxa de ocupação hoteleira, é possível acompanhar a evolução da situação em Minas Gerais, ao se comparar dados vigentes com os meses anteriores e também com o mesmo mês do ano anterior.

Além do “Boletim do Turismo – Impacto do Coronavírus em Minas Gerais” o OTMG também disponibiliza em seu site  outros boletins referentes ao trade turístico do estado e a cadeia do setor. São dados que esmiúçam atividades ligadas à aviação civil, ao mercado de trabalho, a segmentos específicos do turismo de Minas e aos resultados obtidos por meio da implantação das políticas públicas para o setor.