Edição Impressa

Presidente executivo da Abrasel, mineiro Paulo Solmucci faz defesa intransigente

Presidente executivo da Abrasel, mineiro Paulo Solmucci faz defesa intransigente
Reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes (ao centro) e autoridades do Governo Federal

“Chegou a hora de darmos transparência à sociedade. Qual é a real situação de cada localidade? Onde estamos mal e onde estamos bem?”.

Foi com essas palavras que em um comunicado por vídeo, o presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, cobrou informações de prefeitos e governadores sobre a crise que assola o país. “Onde há problemas, o que estamos fazendo? Onde atende os critérios do Ministério da Saúde, quando reabriremos o comércio?

Falando ao JORNAL MG TURISMO, o presidente-executivo da entidade, Paulo Solmucci, disse que o desafio é garantir que clientes de bares e restaurantes possam conviver em um ambiente de segurança, buscando conhecer as melhores práticas adotadas em todo o mundo de medidas que julgamos necessárias e suficientes neste momento para o enfretamento do vírus.

A mais importante, sob o ponto de vista do salão, é a redução do número de mesas. A Abrasel está sugerindo que se reduza um terço dessas mesas para assegurar que a distância entre cadeiras ocupadas seja no mínimo um metro. Ou que a distância entre as mesas sem as cadeiras seja de dois metros.

Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e Paulo Solmucci

A Abrasel está em diálogo com os governos (federal e estaduais) e com grandes empresas para que haja um escalonamento no horário de almoço em todo o país. Funcionaria assim: ao invés das empresas liberaram todos os seus funcionários no mesmo horário – por exemplo às 12h para o almoço – haveria três turnos de almoço: o primeiro às 11h30, outro às 12h15, e o terceiro a partir das 13h. Com isso o setor, mesmo reduzindo a sua oferta, garantirá a capacidade de todos que buscam se alimentar.

A Abrasel também apresentou medidas para a rotina de bares e restaurantes. A entidade fez uma grande coleta de informações e buscou entender o que poderia sugerir para melhorar, dentro das boas práticas de gestão, o dia a dia durante a propagação do vírus. O mais importante nesse momento é buscar conversar com os fornecedores, esticando o prazo de pagamento, reduzindo o prazo de recebimento de vouchers, tíquetes, cartões de crédito e entendendo que esse esforço ajuda o fluxo de caixa.

O segmento de delivery deve aumentar exponencialmente. Uma importante negociação é trabalhar numa redução, mesmo que temporária, das taxas pagas a essas empresas, as negociações com as grandes empresas, seja de bebidas, de energia, de delivery, de meios de pagamento, serão apoiadas e estimuladas pela Abrasel em todo o país. Vamos também pedir apoio ao governo para essas negociações. Mas a negociação individual e a sensibilização dos nossos fornecedores em relação a necessidade de atuarmos juntos e de ter acesso ao capital para suportar esses momentos é fundamental. Temos confiança na liderança do nosso país.

Por fim, a Abrasel reconhece de maneira muito especial o excelente trabalho que está sendo conduzindo pelo ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, e gostaria de antecipar aos profissionais que trabalham na rede de saúde de todo o país a gratidão dos empresários de bares e restaurantes.

O trabalho deles será imprescindível para que o Brasil possa ser bem-sucedido enquanto nação, na superação desse grande desafio representado pelo coronavírus. A Abrasel estará atenta, monitorando junto às autoridades, buscando conhecimento e acompanhando o mercado para sugerir novas e importantes medidas. Vamos passar juntos por este delicado momento do nosso setor e do nosso País.

Conheça o grande líder classista

Paulo Solmucci (foto) é mineiro de Belo Horizonte, casado com Raquel Solmucci e pai de dois filhos, Marina e Rodrigo. É engenheiro mecânico e economista por formação, com MBA em Administração pela UFRJ.

No final da década de 80 e na década de 90 resolveu empreender no setor de alimentação fora do lar e em sociedade com o irmão, Marcelo, inaugurou o Grupo Solmucci, responsável pelo lançamento e administração dos principais bares, restaurantes e casas noturnas em Belo Horizonte. Nos anos 1990, o grupo era proprietário das melhores casas da capital
mineira – algumas delas, consideradas as melhores do país: Ao Bar, Sausalito Point, Ao Grill, Manhattan, Amoricana, Margherita, Restaurante do Minas 2, Buffet Sausalito, Bonaparte (Chamonix), Coliseu do Chopp, Colúmbia, Parthenon, New Sagitarius e Cinema Paradiso,. Também foi sócio da Pizza Mais, uma das pizzarias pioneiras na modalidade delivery.

Em 2004 se tornou presidente do conselho de administração da Abrasel por dois mandatos sendo que em 2008 foi convidado para ser o primeiro presidente-executivo nacional da Abrasel, cargo que ocupa até hoje, dando início a implementação do processo de governança corporativa da Associação. Nesses 16 anos, junto ao Conselho de Administração
e ao Conselho Nacional, liderou os processos que colocaram a Abrasel entre as 10 entidades empresariais mais representativas do país.

Foi sob comando de Solmucci que grandes lutas travadas nos 34 anos de existência da Abrasel tiveram êxito, como a regulamentação da gorjeta e do trabalho intermitente; e a questão das maquinhas dos bancos, que passaram a aceitar todas as bandeiras, a batalha contra impostos abusivos dos governos estaduais e federal. Sob sua liderança estão também o enfrentamento à verticalização e concentração bancária e tantos outros pleitos do setor de alimentação fora do lar.

Além da Abrasel, Solmucci presidiu, em 2018, a União Nacional das Entidades de Comércio e Serviços (UNECS), da qual é membro até hoje e que congrega as maiores entidades representativas destes dois setores. É membro de Conselhos importantes, como o Conselho Nacional de Turismo e o Conselho Deliberativo da Embratur.