Destaques

Projeto qualifica distritos no entorno do Parque Nacional da Serra do Cipó para atrair visitantes

Comunidades são estimuladas a identificar desafios e oportunidades para o desenvolvimento do turismo na região

Mostrar as belezas de Minas Gerais e contribuir para tornar a experiência de quem visita o estado cada vez mais prazerosa estão entre as ações da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult). Um trabalho que tem envolvido não somente corpo técnico, mas também Instâncias de Governança Regionais e comunidades dos municípios mineiros no exercício de induzir o desenvolvimento turístico de uma região em potencial. Exemplo disso é o Projeto Qualificação para o Turismo e Estímulo à Organização Comunitária do Circuito Turístico do Parque Nacional da Serra do Cipó. Um plano de ação executado com sucesso em 2019, e que se amplia em 2020 com nova fase de capacitação.

O projeto da Instância de Governança Regional (IGR) Parque Nacional Serra do Cipó é conduzido por uma equipe de turismólogas e tem como principal objetivo estimular a reflexão e o reconhecimento coletivo sobre o momento de desenvolvimento turístico em que um distrito se encontra, bem como desejos e metas comuns dos moradores quanto ao tipo de turismo a ser construído naquele local. Para tanto, é oferecida uma programação com aulas teóricas, visitas técnicas, plano de ação e consultoria.

Ana Caldeira, gestora do Circuito, explica que é de extrema importância a construção coletiva na geração de atividades de um destino turístico em potencial. “O nosso trabalho busca trazer o entendimento dos instrumentos de gestão do turismo para as comunidades e nivelar as organizações sociais dos povoados para fortalecer a base da cadeia produtiva do turismo”, conta Ana. A gestora ainda destaca a ação de intercâmbio do projeto, que possibilita aos moradores visitas técnicas em diversos distritos do Circuito para troca de experiências, ao mesmo tempo em que reconhece e valoriza as pessoas e práticas locais enquanto referências.

Sustentabilidade

A superintendente de Políticas do Turismo da Secult, Flávia Ribeiro, afirma que atividades como esta desenvolvida pela IGR Parque Nacional Serra do Cipó têm total apoio da pasta, pois refletem a preocupação da Secult em se aproximar das metas estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030.

“Entre várias outras aplicações dos ODS, dentro do objetivo 12, por exemplo, o incentivo da ONU é o desenvolvimento e implementação de ferramentas para monitorar os impactos do desenvolvimento sustentável para o turismo sustentável, com geração de empregos e valorização da cultura e produtos locais. Isso se encaixa perfeitamente no projeto executado nos distritos pertencentes à IGR Parque Nacional Serra do Cipó. É uma boa prática que deve servir de exemplo”, pontuou Flávia.

Difusão das boas práticas

Em 2019, a IGR Parque Nacional Serra do Cipó foi parceira no Projeto Portais, realizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em São José da Serra e, em seguida, mobilizou-se para elaboração do projeto de qualificação atual, nos mesmos moldes. A Presidente da Associação Comunitária de Turismo e Meio Ambiente da Serra (ACTUR), Rosângela Marques, foi uma das participantes e conta que o projeto resultou em várias edições da Feira Frutos da Serra, que comercializa todos os produtos locais e é hoje referência no município.

“Foram três meses de muito aprendizado. Como presidente da ACTUR, pude perceber o crescimento da Associação que ganhou visibilidade a partir desse projeto. Como moradora observo, com entusiasmo, o empoderamento das pessoas que passaram a se valorizar mais porque o projeto propiciou oportunidade para os moradores que não tinham expectativas no turismo. Mas ao ouvir sobre a cadeia produtiva do turismo, todos entenderam e se sentiram parte dessa rede. O que antes era um desafio tornou-se oportunidade”, comemora Rosângela.