Notícias

Saiba calcular de quanto dinheiro vai precisar na aposentadoria e como juntar tudo isso

Young businesswoman using calculator in office. Young woman counting her home budget

A aprovação da Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista nos últimos anos tem acendido um alerta na cabeça de muitos jovens brasileiros. Com o enrijecimento das regras e dificuldade em encontrar empregos no regime CLT, a dificuldade em se aposentar daqui a 20, 30 anos será muito maior do que hoje.

Por isso, tem aumentado o número de pessoas que estão guardando dinheiro por conta própria pensando em suas aposentadorias. Mas como fazer este cálculo? Quanto é preciso para “viver de renda” após parar de trabalhar? Como juntar esse dinheiro? São muitos os questionamentos!

Existem algumas fórmulas para calcular o quanto precisamos para manter o padrão de vida após a aposentadoria. Da mesma forma, não faltam opções para juntar dinheiro e fazê-lo render em prol desse objetivo.

Atualmente, estão falando muito do benefício de previdência privada das empresas, mas planos de previdência aberta e ativos de renda fixa e variável também podem entrar nesta conta. O mais importante é ter um valor em mente e montar uma carteira diversificada de investimentos para potencializar os resultados.

Aqui, vamos mostrar algumas formas de calcular e juntar o valor desejado para guiar a montagem do seu planejamento financeiro para a aposentadoria. Confira as nossas dicas abaixo:

Método 1,3,6,9

Talvez este seja o método mais prático de calcular o montante necessário para se aposentar e viver bem sem trabalhar. O método 1,3,6,9, basicamente representa um fator de multiplicação, como mostraremos a seguir.

De acordo com o método, uma pessoa com 35 anos já deveria ter poupado ao mês a soma de um salário anual. Assim, se a pessoa ganha R$ 3 mil, o ideal é que ela tenha juntado, pelo menos, R$ 36 mil até completar essa idade.

Da mesma forma, 10 anos depois, aos 45 pelos cálculos, o recomendado é que essa pessoa tenha juntado três salários anuais, o que mantendo a renda de R$ 3 mil daria R$ 108 mil. E assim, a cada 10 anos, essa meta dobra de fator multiplicador, dessa forma aos 55 ela deve ter juntando seis salários anuais e aos 65 anos, pelo menos, nove salários anuais.

Muitos economistas acreditam que este valor seria suficiente para bancar a pessoa por cerca de 20 anos com um padrão de vida semelhante, principalmente, se a pessoa também conseguisse a aposentadoria pública, mesmo que com valor menor comparado a sua renda durante os seus anos de trabalho.

Como conseguir chegar aos valores do método 1,3, 6,9?

Naturalmente, você deve estar imaginando o quanto pode ser difícil ter que triplicar o valor guardado para a aposentadoria a cada 10 anos. Bom, os cálculos também indicam a porcentagem de renda que a pessoa precisa juntar a cada período para alcançar esse objetivo, sem contar tanto com os rendimentos.

Pelo método, o cálculo de reserva para a aposentadoria seria o seguinte:

  • Entre 25 e 40 anos, o cálculo seria a sua idade menos 15, ou seja, se a pessoa tem 35 anos, ela deveria poupar 20% do seu salário para este objetivo.
  • Entre 40 e 50 anos, o cálculo seria parecido, a conta seria a idade da pessoa menos 10. Então uma pessoa de 45 anos, por exemplo, teria que reservar 35% do salário para a aposentadoria.
  • Depois dos 50 anos, o cálculo é bem simples! A idade passa a ser a porcentagem, assim uma pessoa de 55 anos, deverá poupar 55% do seu salário, por exemplo.

Método da Renda Líquida

Esse método é um pouco diferente do citado acima. O método de renda líquida considera a evolução salarial que uma pessoa tem ao longo de sua vida, o que a faria começar a guardar dinheiro desde cedo para a aposentadoria, se possível desde o seu primeiro trabalho.

Pelos cálculos, o ideal é que a pessoa guarde 15% de sua renda durante todo o seu período de trabalho. Assim, o ideal é que aos 30 anos, uma pessoa tenha o equivalente a 19 salários em sua reserva.

O número saltaria para 35 salários aos 40 anos, 53 salários aos 50 anos e 68 salários poupados aos 60 anos. A expectativa segundo o economista Lauro Araújo é de que a renda das pessoas aumente cerca de 3,5% ao ano no decorrer da vida. Esse valor composto com a aposentadoria pública pelo INSS seria fundamental para que ela conseguisse manter o seu padrão de vida.

Como juntar dinheiro para a aposentadoria?

Bom, para ter sucesso nessa empreitada é fundamental que a pessoa monte um planejamento financeiro bem assertivo. É preciso apostar na diversificação de investimentos para que o trabalho não seja apenas poupar dinheiro para o futuro e sim fazê-lo render.

Como o mercado prega que quanto maior a rentabilidade, maior o risco, o ideal seria dividir esse capital entre renda fixa e variável, focando tanto em segurança como em rentabilidade para diminuir os riscos de perdas. Esse é um bom caminho para investidores arrojados que não tem tanto medo do mercado.

Essa dica vale também para investidores mais conservadores que tendem a colocar a maior parte da reserva em renda fixa e por isso precisam se esforçar para poupar mais dinheiro para compensar a menor rentabilidade.