Notícias

Sucesso da digitalização: saiba quais são os pontos principais para desenvolver um site de e-commerce

Criar espaço para catalogar e exibir produtos não é suficiente; questões de otimização e segurança também demandam atenção

(crédito: divulgação) 

A internet tem se tornado um dos principais canais para vendas, ganhando novos adeptos a cada dia. Segundo dados do Webshoppers 43 Ebit/Nielsen & Bexs Banco, importante relatório de análise do comércio online no Brasil, o comércio eletrônico conquistou 13 milhões de novos consumidores no Brasil em 2020, elevando em 29% o total de clientes online em relação a 2019, mostrando a força que essa modalidade de comércio tem atualmente.

Com a pandemia causada pelo novo coronavírus, esse cenário ganhou ainda mais força, especialmente por conta das medidas de segurança, que ocasionaram o fechamento das unidades físicas de muitas lojas, concentrando as vendas por outros canais. Nesse cenário, várias marcas que ainda não haviam passado por um processo de digitalização ou não tinham as plataformas online como espaços de destaque no número de vendas tiveram de melhorar seus processos virtuais para garantir o faturamento durante a pandemia.

Garantir um processo de digitalização bem-sucedido, entretanto, vai muito além de criar um espaço para catalogar e exibir os produtos ou serviços oferecidos pela empresa. É preciso criar um ambiente interessante e estrategicamente construído para chamar a atenção do público-alvo da marca, além de oferecer uma boa experiência de compra para aumentar as chances de fechamento de uma venda.

Entenda o público-alvo da marca

Apesar de a modalidade de e-commerce voltada para o atendimento de clientes ser a mais conhecida, existem outros modelos de comércio online, e definir o público-alvo e intuito do site é essencial para construir um portal que atenda às necessidades dos clientes e exiba todas as informações de maneira satisfatória. 

Entre as alternativas para comércio online estão: B2B (Business to Business), que se trata de lojas virtuais que comercializam produtos para outras empresas; B2C (Business to Consumer), a versão em que empresas vendem produtos para o consumidor final; C2C (Consumer to Consumer), forma de negócio em que consumidores têm relação direta com outros consumidores, normalmente, com o uso de plataformas voltadas para isso; e C2B (Consumer to Business), modalidade não tão popular, em que o consumidor oferece produtos e serviços para empresas, como no caso de bancos de imagens, por exemplo.

A partir disso, fica mais fácil definir a interface da loja virtual, assim como o local onde o site estará hospedado, seu domínio, entre outras questões que afetam diretamente a experiência de compra.

Invista em segurança

Garantir um ambiente de compras seguro, tanto para os clientes, quanto para a própria empresa, deve ser uma das prioridades na hora de digitalizar o negócio e planejar a criação de um e-commerce. O vazamento de informações dos clientes e de dados bancários e de cartões pode gerar vários prejuízos para a marca, além de prejudicar sua reputação.

Entre as estratégias que podem ser feitas para evitar problemas relacionados à segurança está a autenticação de dois fatores na realização do login, por meio do envio de um código de confirmação a um dispositivo, como celular ou e-mail, para validar a entrada do cliente na conta. Dessa forma, somente o login e a senha não serão informações suficientes para que alguém mal-intencionado tenha acesso à conta.

Profissionais em todas as frentes

Iniciar um site de e-commerce por si só não é uma tarefa tão difícil, mas manter seu funcionamento de maneira eficiente e expandir os negócios no universo virtual se mostram mais complexos. Para garantir o sucesso da marca no meio online, é essencial contar com uma equipe completa, integrada por profissionais com diferentes habilidades. Atendimento ao cliente, resolução de problemas na interface ou sistema do site e organização de estoque, por exemplo, raramente são tarefas que podem ser feitas tranquilamente pelo mesmo funcionário.

Com estudo e cuidado, é possível criar um ambiente de compras virtual que seja bem-sucedido e ajude a elevar o valor da marca. Além dos pontos citados, é sempre importante pesquisar os passos para logística de entrega, novidades do mercado e tendências, para garantir que o e-commerce siga relevante.